OPINIÃO

Qaddafi: o guardião da maior reserva de petróleo da África

Qaddafi não é Mubarak. Seu regime já resistiu a todo o tipo de pressão do Ocidente. Qaddafi tem um longo currículo com bombas em aviões, em locais públicos, assassinatos no mundo todo e perseguição implacável a dissidentes. Bin Laden, é um mero aprendiz do Col. Qaddafi, que vai de ideólogo e terrorista do Islam a diplomata de uma relação quase promíscua com EUA e UK, antigos inimigos do coronel.

A queda de Qaddafi não será tão simples como o ocidente espera. Qaddafi encarna o mais radical nacionalismo muçulmano forjado com a truculência e crueldade sem limites de Mussolini e seu verborrágico facismo, que na primeira metade do século XX matou quase a metade da população na Líbia.

Quando Saif Qaddafi avisa que haverá uma guerra civil, este aviso é sério, dificilmente Qaddafi sai do poder sem que a Líbia fique dividida em pelo menos em duas partes. Como na prática sempre foi, existe uma enorme distância cultural e econômica entre Bhengazi e Trípoli.

Quando Saif vai as ruas de Trípoli distribuir metralhadoras, munição e dinheiro para quem é pró Qaddafi, ele está dando uma mostra de que seu regime tem muito fôlego.

A tentativa de retirada de títulos do governo Líbio de um banco Inglês é somente uma mostra de poder em que Qaddafi lembra aos banqueiros que tem centenas de bilhões escondidos no mundo todo e entre os laranjas de seu regime.

Estes laranjas têm conexões dentro de todos os governos que flertaram com seu regime, que soube jogar muito bem com a sede petrolífera do ocidente e com o medo dos ocidentais de que algum líder, ainda mais antiamericano, nem mesmo deixasse as empresas da Itália, EUA, Inglaterra, Suécia, Espanha operarem na Líbia e garantirem a produção e exportação de petróleo da maior reserva de petróleo da África, a um passo da Europa.

Como grande marketeiro político que é, Qaddafi desde o início já definiu a guerra, é o ocidente contra o povo islâmico da Líbia, são os vagabundos, bêbados e drogados, contra os patriotas que sempre defenderam a Líbia do ocidente.

Os Líbios sabem muito bem o significado da preocupação internacional com as guerras em seu país. Ainda é uma incógnita o que vai acontecer no mundo das revoluções e redes sociais.

Muito sangue árabe vai rolar antes que se defina a situação da Líbia, só como lembrete: Os egípcios e chineses voltaram às ruas este fim de semana.

Luciano Medina Martins

Anúncios

Sobre Luciano Medina Martins

Journalist, blogger, activist against the abuses of states that violate citizens' rights. I don't write about one only topic, I like to interact with many different issues. No fake news here.
Esta entrada foi publicada em crise árabe, história, opinião, redes sociais, revolução jasmin. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s