“Suicídio assistido” a morte que você pediu

Médicos ingleses querem que a lei seja atualizada. Hoje é proibido executar o que eles chamam de “suicídio assistido” ou “morte assistida”.

“Eu acho que sofrer é muito mais do que uma situação médica. Existe a noção de que o sofrimento pode ser controlado por medicamentos e cuidados médicos. Acho esta uma noção falsa.” A revista médica britânica BMJ publicou esta declaração de Pauline Smith, que é uma autoridade de saúde na Inglaterra.

Morrer naturalmente? Ainda existe isso? Médicos ingleses querem mudar a lei e permitir o "suicídio assistido" para pacientes terminais ainda conscientes. Photo: http://www.noelhenley.com

Pauline é parte de uma comissão independente de saúde pública que trabalha para facilitar a “morte assistida”, em que é prestada a assistência médica para pessoas que estão morrendo, em estado terminal mas ainda conscientes, a praticarem o suicídio. A comissão quer propor mudanças a atual legislação, relata o BMJ.

Muitos ingleses compartilham o ponto de vista dos membros da comissão. Muitos médicos ingleses são favoráveis a “morte assistida”. Um novo grupo chamado “Dignidade ao Morrer: profissionais da saúde pela mudança” quer desafiar a Associação Médica Britânica e uma série de faculdades de medicina no seu posicionamento quanto a morte assistida para pessoas portadores de doenças que as levaram ao estado terminal.

Parte do público inglês já manifestou seu apoio a ideia da “morte assistida”. De acordo com um instituto de opinião pública britânico, 82% das pessoas pesquisadas apóiam a prática da “morte assistida”, conforme o relatório da BMJ.

A diferença da morte assistida para a eutanásia, é que nela o paciente tem um papel mais ativo. Neste caso a dose letal de medicamento é aplicada pelo paciente nele mesmo, com a assistência de um médico. O papel do médico se restringiria a prescrever a dose de medicamento que dá fim a vida a um adulto em perfeito estado de consciência e em fase terminal, por seu próprio pedido.

Source: www.thehindu.com

Anúncios

Sobre Luciano Medina Martins

Journalist, blogger, activist against the abuses of states that violate citizens' rights. I don't write about one only topic, I like to interact with many different issues. No fake news here.
Esta entrada foi publicada em direitos humanos, saúde. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s